A indústria 4.0 no sector da alimentação

O sector da alimentação e bebidas encontra-se em plena fase evolutiva: fusões, aumento da população mundial, normas de segurança alimentar, modelos de negócios impulsionados pelos consumidores da geração millennial. Prevê-se que haja mais alterações nos produtos de consumo embalados nos próximos 5 anos do que os que houve nos últimos 50 anos. Com o objetivo de enfrentar todos os desafios com a maior eficiência possível, a indústria 4.0 no sector da alimentação irrompeu com força.

O novo contexto implica e continuará a implicar desafios para as empresas fabricantes do sector, que estão a começar a adotar e normalizar a digitalização a uma escala adequada para a integrar numa estratégia da indústria 4.0 no sector da alimentação.

Digitalização: Indústria 4.0 no sector da alimentação 

A digitalização muda tudo em todo o lado. Os novos fatores impulsionadores do negócio estão a obrigar o sector da alimentação e bebidas a recolocar e recriar cada um dos elementos do negócio. As grandes empresas de alimentação e bebidas terão que acelerar este processo se querem continuar a ser competitivas.

As tendências do mercado apontam para uma maior personalização dos produtos, maior variedade nas suas embalagens, comidas e bebidas mais saludáveis, exigências regulamentares cada vez maiores em relação a qualidade e processos, além de continuar uma forte pressão pelas margens nos preços e chegar com rapidez ao mercado. Entre os desafios, destaca-se também a procura sazonal, a procura de SKU diferenciadas (código único de produto), uma planificação da produção mais complexa e a própria escala da produção industrial.

Os consumidores preocupados com a saúde interessam-se tanto pelos ingredientes como por todo o ciclo de produção dos alimentos que consomem. Para manter intacto o valor da marca, as empresas não só devem estar atualizadas em relação às mudanças regulamentares, mas também devem listar as novas especificações e facilitar outras informações de interesse para os consumidores.

Em Espanha, além disso, nos próximos anos existe o desafio de reduzir a quantidade de ingredientes proibidos em mais de 3.500 produtos, o que implica um esforço de inovação que afetará muitos departamentos nas empresas fabris. Uma das grandes preocupações do sector também resulta da segurança alimentar; o que implicará outra das grandes oportunidades para a Indústria 4.0 no sector da alimentação com ferramentas específicas para a rastreabilidade total de um produto.

A transformação digital deve ser uma premissa na agenda de todas as empresas de alimentação e bebidas, que devem adotar estes processos da indústria 4.0 para assegurar o êxito da mudança. Para que este período revolucionário na fabricação jogue a favor do sector alimentar, as empresas devem rentabilizar as vantagens da digitalização em todos os aspetos, da restruturação da cadeia de valor até à adoção da virtualização e o aproveitamento dos dados de valor proporcionados pelos Big Data e IoT (Internet das Coisas).

O maior potencial de digitalização no sector da alimentação e bebidas está na capacidade de representar virtualmente a informação do produto e conseguir que flua sem obstáculos até à fábrica. As empresas com maiores oportunidades são as que têm amplas carteiras de produtos caracterizadas por ter muita variação, um grande volume e uma estrutura de produtos de elevada complexidade.

Se desejar obter mais informação sobre o papel da indústria 4.0 no sector da alimentação, não hesite em nos contactar. 

Na Avantek, oferecemos ajuda em todo o processo de implementação das soluções Siemens PLM Software, e também durante o crescimento e maturação. O acompanhamento é feito em todos os momentos.

Artigo anterior
Mecatrónica: o que é, o que estuda e como se aplica
Artigo seguinte
A importância das soluções PLM para a indústria alimentar
Menu